Quando João Donizeti dos Santos resolveu entrar no curso que o levaria à TI, a área ainda era resumida sob um termo um tanto vago para os dias atuais: computação.

Antes do computador pessoal ser uma realidade e o celular apenas uma ideia de que poderia concentrar grande parte das necessidades cotidianas, o que acontecia no universo da computação soava mais como ficção científica, em suas palavras.

Quarenta e poucos anos separam o garoto que encontrou por acaso, em um folheto, informações sobre o curso de computação do diretor de TI que hoje comanda toda a estratégia de tecnologia do ambiente corporativo no grupo industrial Votorantim, empresa brasileira com mais de cem anos de história.

Além da Votorantim, Santos passou pela Servimec S/A, Vasp e Basf com o orgulho de não ter tido um período sequer sem trabalho. “Saía numa sexta-feira de uma empresa para trabalhar na segunda-feira na outra”, conta o executivo.

Nessas companhias, teve a chance de atuar em todas as frentes da TI – de fitotecário a programador. “Sou da época do cartão perfurado”, diz rindo. E acompanhou de perto questões como a substituição dos mainframes, o bug do milênio, a chegada do onl-ine e, claro, o fim dos cartões perfurados.

Para ler o perfil completo e o case vencedor, acesse o site do IT Forum 365.

Fonte: CIO