A fabricante chinesa Oppo, conhecida por smartphones como o Find X, por exemplo, publicou um teaser no Twitter no último domingo (12) de um carregador com potência de 125W. Como indicado no vídeo curto, a tecnologia sucede a atual ‘SuperVOOC 2.0’ da marca, que conta com 65W.

O anúncio do novo carregador deve acontecer já na quarta-feira (15). Para efeito de comparação, a tecnologia de 65W é capaz de carregar uma bateria de 4.000 mAh em 30 minutos. Outro parâmetro é o Motorola One Hyper: o celular tem 4.000 mAh e carregador de 45W, capaz de encher os 100% da bateria em cerca de uma hora.

Apesar da demonstração do novo carregador, não é esperado que um novo smartphone seja anunciado na mesma data. Neste momento, a marca pode dar um prazo para a tecnologia ser lançada comercialmente, e depois poderemos vê-la em novos celulares.

If you don’t like waiting to charge, the wait is almost over. ?? #FlashForward pic.twitter.com/Uq54uJEphQ

— OPPO (@oppo) July 13, 2020

A estimativa é de que os primeiros dispositivos compatíveis com carregadores do tipo sejam lançados a partir de 2021. Além da Oppo, marcas como Xiaomi e iQOO, submarca da vivo, também trabalham em tecnologias similares.

O carregador de 65W da Oppo é utilizado no smartphone Reno Ace 2, que possui 4.000 mAh de bateria. A marca descobriu, ao longo dos testes, que o componente teve sua capacidade reduzida para 91% após 800 ciclos de carregamento.

Com um carregador de 100W, a degradação da bateria também pode ser acelerada. A expectativa é de que a Oppo – além de outras marcas – tenha conseguido reduzir este parâmetro.

Concorrência acirrada

Em um evento on-line, a iQOO, submarca da Vivo, demonstrou a sua solução de carregamento rápido com 120W de potência. A empresa também afirmou que estima o lançamento comercial do acessório em agosto.

Na rede social chinesa/fórum Weibo, a marca disse que o FlashCharge, como é chamado, pode carregar 50% de uma bateria com 4.000 mAh em cinco minutos. O carregamento total para uma bateria de mesma capacidade seria de 15 minutos.

Fonte: Tecmundo